CABECERA IMAGENES

ANDAINA - SUBIDA do RIO LABOREIRO


Percurso- Subida do Rio Laboreiro                                Local- Melgaço/Entrimo
Itinerário- Olelas, Ribeiro de Baixo, Ameijoeira e Assureira.
Partida- Mistura de Aguas (N 41º 55’ 20’’  W 08º 12’ 39’’) às 8h46m
Data- Segunda feira 24 de Agosto 2015                          Distancia- 19km
Dificuldade     Física- Media   Técnica- Media/Alta           Circular- Não
Tempo (horas)
Saída- 8h46m   Chegada- 15h59m   Duração- 7h12m  
Altitude (metros)
Máxima- 771     Mínima- 343      Desnível- 428            Saída- 343        Chegada- 771
Positivo- 654     Negativo- 248   Desn. Max.- 26,71%   Desn. Min.- 17,72%
GPS Garmin Oregon 450   Nº de pontos- 8648  Intervalo de gravação- 2
Programa de analise de dados- CompeGPSLand/SportTrack
Condições Atmosféricas- Céu coberto e temperatura agradável.
Pontos de Interesse- Rio Laboreiro e Muita Paisagem Natural.
Transporte- 62km – 1h11m (Melgaço, Castro Laboreiro, Entrimo e Olelas) mais volta e  7€ de combustível.
Atletas- Blacbay - Robiin

Observar ou Descarregar o Percurso        Todas as Fotografias Georreferenciadas (Picasa)  
                                                              Blacbay (268)      Robiin (125)

Video de algumas zonas do Percurso.



No final da estrada começam as Rutas com Carisma. 

Rio Peneda.

Rio Laboreiro.

Estes dois Rios juntam-se aqui, na Barragem do Lindoso.

Começa a nossa aventura, a Subida do Rio Laboreiro.



A saltar de pedra em pedra.

Pela agua.




A escorregar com a primeira Ponte que encontramos.

Ponte de Madeira que faz a ligação a um Trilho Espanhol (Rutas con Carismas), mas que não tem seguimento para Portugal.

Do lado Portugues só havia rochas e mato, nenhum sintoma de Caminho ou Trilho.


Seguimos pelo leito do Rio acima.



Aproveitamos um Trilho Espanhol paralelo ao Rio para continuar a subir, há zonas onde é impossível subir a não ser que seja escalando, coisa que nós não sabemos.




Mesmo caminhando pelo Trilho seguiamos ao lado do Rio.


Chegamos ao Miradouro do Rio Laboreiro.


Vistas para o Local mais Espetacular do Gerês, as três Cascatas seguidas do Rio Laboreiro.



Fomos ver as Cascatas de perto.

O poço da primeira Cascata.


Ao longe as Casas de Ribeiro de Baixo, em Portugal.

Seguimos pelo Trilho que vai de Olelas até ao Ribeiro de Baixo.

Mas sempre junto ao Rio.



Chegando ao Ribeiro de Baixo.


Cruzando para Portugal.


Cruzando a Aldeia do Ribeiro de Baixo.

O Monte do Quinxo em Espanha.

Durante alguns metros seguimos o Trilho que faz a ligação para o Ribeiro de Cima.


Abandonamos o Trilho para descer ao Rio.


Primeira paragem para alimentação.

Muita dificuldade para subir o Rio.


Também passamos por Praias.


Chegamos a mais uma Cascata.







Muita dificuldade para subir as Cascatas.



Por onde vamos subir? Perguntava o Robiin.

Novamente pelo mato.



Zona complicada para passar.

Só com ajuda de uma Catana é que conseguimos furar a vegetação.





Quando não havia outra alternativa, tinha-nos que meter pela agua.





Nas Cascatas do Moinho.



Quando o Rio seguia plano, tinhamos que seguir pelas suas margens.

Com o Rio assim, só mesmo a nado.




O Lugar de Mareco.

Rio Laboreiro com a agua super transparente.


Ponte que une o Lugar da Ameijoeira com o de Mareco. A partir de aqui o Rio Laboreiro banha somente Portugal.

Mais uma vez pela agua.



Por aqui o Rio seguia bastante calmo.

Restos da construção de uma Barragem.


Mais outra Ponte no Laboreiro.

Abrigo molhado.






Ponte da Assureira, local onde decidimos terminar esta aventura por hoje.


Depois de 19km a subir o Rio, abandonamos aqui, o resto fica para outra ocasião.

A chegada a Castro Laboreiro fizemo-la pela estrada, apenas foram 3km. Pelo Rio seriam mais de 5km, ficará para outra data, tentaremos chegar á nascente do Rio Laboreiro.

O Castelo de Castro Laboreiro no cima da Montanha.

O famoso Bico do Patelo na ponta de outra Montanha, dificuldade máxima para os escaladores.

Esta fotografia foi o principal motivo para subir o Rio Laboreiro, ir conhecer pessoalmente estas três Cascatas.

Terminamos acompanhados do Presunto, Chouriço e o Alvarinho.

   Depois de ter-mos subido o Rio Trancoso em 2013, Rio que é Fronteira Natural entre Portugal e Espanha, voltamos a subir outro Rio Internacional.
   Desta vez subimos o Rio Laboreiro, desde que se junta ao embalse do Lindoso até ao Lugar de Assureira.
   Deixamos um carro em Castro Laboreiro, onde calculamos que terminaríamos e a minha esposa foi-nos levar ao ponto de início, a Olelas.
   Começamos desde a Mistura de Aguas, local onde se juntam os Rios, Laboreiro e o Peneda na Barragem do Lindoso.
   Aproveitamos esta época do ano, quando o caudal é menor para poder saltar de pedra em pedra.
   Fomos subindo o Rio pelo seu leito, pelas suas margens e por Trilhos adjacentes. Subimos por onde achamos a melhor opção, quando não conseguíamos seguir com segurança o Leito do Rio.   
   O Rio Laboreiro é a zona mais espetacular do Gerês, mas para ser admirado tem que se fazer alguns sacrifícios, principalmente cruzar muita vegetação agressiva, saltar e deslizar entre pedras e claro, molhar-se.
Começamos por encontrar uma Ponte de Madeira espetacular que cruzava o Rio, onde do lado Espanhol ligava a um Percurso perfeitamente Marcado. Do lado de Portugal a Ponte ligava a umas rochas e muito mato, sem nenhum Caminho ou Trilho.
Seguimos o Percurso Espanhol até ao Miradouro das Cascatas, das três espetaculares Cascatas do Rio Laboreiro, onde depois descemos até elas.
Continuamos o Trilho até ao Ribeiro de Baixo, onde voltamos a entrar no leito do Rio para apreciar mais umas incríveis Cascatas, os vídeos e as fotografias assim o demonstram.
Quando chegamos ao Lugar da Ameijoeira o Rio Laboreiro apenas banha margens Portuguesas, foi neste Lugar que encontramos os alicerces que um dia seria uma futura Barragem, obra que nunca se terminou.
Depois de varias horas com os pés molhados, o corpo com muitos arranhões devido aos Tojos e as Silvas, com as pernas já cansadas e sem a possibilidade de conseguir chegar a Castro Laboreiro a horas decentes, terminamos esta aventura na Ponte Romana da Assureira, voltamos a Castro Laboreiro pela estrada.
Foram 19km de pura diversão, com umas paisagens incríveis, onde em vários momentos tivemos alguma dificuldade para conseguir subir alguma Cascata.
Descobrir novos lugares onde alguns te surpreendem pela sua beleza.
As três Cascatas seguidas que encontramos já as tinha visto em fotografias, mas todas as outras foram uma surpresa.
Agora falta terminar a subida do Rio, desde a Ponte da Assureira até ao seu nascente ou até onde podermos. Ficará para outra ocasião.


Blacbay