CABECERA IMAGENES

ULTRA TRAIL - II 100KM SERRA do BARBANZA


Percurso- II 100km Serra do Barbanza                   Local- Península do Barbanza
Itinerário- Rianxo, Ria de Arousa, Boiro, Mosquete, Castelo de Vites, Serra do Barbanza, Monte Curota, Moldes, Oleiros, Axeitos, Monte Tahume, Seráns, Lagoa San Pedro de Muro, Caamaño, Queiruga, Baroña, Porto do Son, Portosin, Boa, Noia, Lousane, Alta da Muralla, Campelo, Rio Té e Rianxo.
Partida- Plaza Castelao, Rianxo (N 42º 39´08´´  W 08º 49' 06'') às 16h38m PT

Data- 20/21 de Junho 2015                                    Distancia- 104km
Dificuldade   Física- Media/Alta    Técnica- Media    Circular- Sim
Tempo (horas)
Saída- 16h38m     Chegada- 10h20m     Duração- 17h42m
Velocidade           Media Total- 5,88km/h
Altitude (metros)
Máxima- 636      Mínima- 0            Desnível- 636             Saída/Chegada- 5
Positivo- 2432    Negativo- 2341     Desn. Max.- 23,67%    Desn. Min.- 30,18%
GPS Garmin Oregon 450  Nº de pontos- 21238   Intervalo de gravação- 3
Programa de analise de dados- CompeGPSLand/SportTracks
Indice IBP- 504 RNG                             M.I.D.E.- 2 - 2 - 3 - 5
Condições Atmosféricas- Céu limpo e muito, muito calor.
Alimentação- Nove reforços durante o Percurso mais almoço no final.
Pontos de Interesse- Rias (Arousa, Muros/Noia), Serra do Barbanza, Praias, Monumentos e Muita, Muita, Muita Paisagem Natural.
Transporte- 128km - 1h15m (Melgaço, Arbo, As Neves, A-52, A-55, Puxeiros, AP-9, Catoira, AG-11 e Rianxo) + volta, 17€ de Combustível e 12€ de Portagens.
Organização- Itrekkers                          Preço- 40€ (T-shirt, conservas + Medalha Finalista)
Corredores- Blacbay - Ferreiro2008

Observar ou Descarregar o Percurso             Todas as Fotografias Georreferenciadas (Picasa)
                                                                       Blacbay (280)   Ferreiro2008 (409)

Mais Fotografias- Saída - Ria de Arousa - Araño - Chegeda do Barco


Videos de algumas zonas do Percurso.


                             




Zona de Meta, no Centro de Rianxo.

A fazer o aquecimento.

Saída neutralizada pelas ruas de Rianxo a caminho do Catamaran que nos levaria para Boiro.

Com o calor que estava (por volta dos 40ºC) já apetecia refrescar-se.








Cruzando a Ria de Arousa para Boiro, deixando Rianxo ao longe.


"Ondiñas veñem, ondiñas van....."

Aliviar peso antes da Partida.

A partida oficial.



Cruzando Boiro.





Aproveitava-se qualquer ponto de agua para baixar a temperatura do corpo.




Os Cruzeiros desta zona, com o Santo fechado.

Começamos a subir.


Animo.




Onde houvesse uma fonte, todos parávamos.

Entramos na Subida ao Castelo de Vitres.








Paisagem espetacular sobre a Ria de Arousa.



Ultimos metros da subida.

A correr pela Serra do Barbanza.

Chegada ao primeiro reforço.


Outra subida com muitas pedras.


Passagem estreita.



Novamente a Ria de Arousa.

O Sol já estava a descer.



Monte Curota.

Inicio da descida.









A Ilha de Arousa no meio da Ria.


Paisagem incrivel.


Reforço em Moldes.

Continuamos a descer.

A Serra do Barbanza ao fundo, a que subimos ha pouco tempo.




Segue o dedo.

Subindo ao Monte Tahume, onde se encontra o Radar.

O Santi a admirar a paisagem, a entrada para a Ria de Muros/Noia.


Nós e o Sol a chegar ao Mar.

Canastros e Cruzeiros típicos desta zona de Galicia.




Agora tivemos quase 40km junto ao Mar até a Noia, por todo tipo de Caminhos, terra, areia, pedras, madeira, cimento, agua, lama, etc.




Reforço principal da noite.




 Já de dia nas ultimas subidas, mas que subidas. ao km 72 subimos desde a Ria de Noia até superar os 610 metros de altitude.

A Ria de Noia ao fundo.

O fresquinho da manha.

O Sol a aparecer.



O reforço do pequeno almoço.



Ultimos metros da ultima subida.

Ultimos 15 km sempre a descer, desde os 636 metros até ao nivel do Mar.

Ria de Arousa ao fundo.

Descida com mais de 20% de desnível.




Ultimos quilometros a descer por Caminhos empedrados.

Ultimo reforço com dois amigos.


Os ultimos metros acompanhamos o Trilho do Rio Té.



Terminou a descida, mais uns metros e chego a Meta.

Ultimos Mil metros.

Depois de 104km cheguei.

A repor o Sal perdido.

Chegada do Ferreiro2008, Xil e Marcos.

A temperatura mantinha-se nos 37ºC, como a da partida de ontem. Muito calor, muitos abandonos, no primeiro reforço ao km 13 já abandonaram 14 participantes.

O final foi um almoço em convívio, onde a pergunta mais utilizada não era em quantas horas terminas-te, mas sim se terminas-te ou abandonas-te. Prova muito dura, mas com a temperatura por volta dos 40ºC, ainda a fez muito mais dura. Por este motivo foi uma Prova de 100km das mais duras.

O Santi não conseguia aguentar o sono.

   Segunda Edição da 1ª Prova de 100km de Galícia.
   Pelo terceiro ano consecutivo participei nesta Prova, apesar de este ano ser a II Edição, esta Prova também teve a Edição Zero.
   O Percurso decorre pela Península do Barbanza, cruzando todos os Municípios (Boiro, Rianxo, A Pobra do Caramiñal, Riveira, Porto do Son, Noia, Lousame) desta Península, ainda se sobe e desce a Serra do Barbanza varias vezes.
   Em 2014 a Partida foi de Boiro, este ano saímos de Rianxo e para 2016 a organização já anunciou que será outro Município a acolher esta Prova de 100km.
   A data do evento será sempre no Sábado mais próximo ao Solstício de Verão, para que a noite seja a mais curta do ano.
   O Percurso deste ano foi totalmente diferente a edição anterior.
   Este ano arrancamos desde o centro de Rianxo com saída neutralizada até ao Porto, onde cruzamos para Boiro em Catamaran. Viagem de 3km pela Ria de Arousa, admiramos a Maravilhosa Paisagem da Ria com a Serra do Barbanza ao fundo, por onde iriamos passar umas horas mais tarde.
   Chegado ao Porto de Boiro, seguimos mais um quilómetro neutralizado para depois nos deixarem á solta pelas ruas de Boiro.
   Passado 5km já começamos a subir, a subir a sério, por uma Calçada empedrada que nos levou em 4km a subir uns 500 metros até a Serra do Barbanza.
   A subida não tinha dificuldade, o que nos preocupava era a temperatura, os termómetros á sombra marcavam entre 35 e 37ºC, mas na subida ao Sol a temperatura que o nosso corpo recebia superava os 40ºC, mas do piso ainda vinha o calor libertado pelas pedras.
   O primeiro reforço foi ao km 13, neste ponto já tiveram que abandonar 14 participantes, atletas que estão habituados a realizar provas longas e varias de 100km. Já se pode imaginar como foi a mistura da subida com a temperatura e a hora do dia.
   Eu juntei-me com o Santi, companheiro habitual das Provas de 50km, fomos poupando forças nos primeiros quilómetros, o calor era muito e o Percurso tinha 100km, o dia não estava para aventuras.
   Depois de 9km a trotar devagar pela Serra, iniciamos a descida até praticamente ao nível do Mar, em poucos quilómetros.
   A primeira dificuldade já estava realizada, o Percurso tinha duas subidas boas (uma no inicio e outra no fim) e mais duas subidinhas pequenas (pelo meio do percurso).
   Mais dois quilómetros e estávamos na primeira subidinha, o Monte Tahume de apenas 200 metros de altitude.
   Depois de o descer chegamos ao Mar, á Praia de Seráns, foi quando o Sol desapareceu no Oceano.
   Esperava-nos uns 40km junto ao Mar até Noia. A temperatura baixou, já se podia correr melhor, mas a noite chegava rapidamente.
   No km 40, no reforço principal da noite, tinha-nos as mochilas com o equipamento para a noite (frontal, roupa seca, corta vento, etc).
   Seguimos eu e Santi juntos, mas andávamos no meio de dois grupinhos, onde nos juntávamos nos reforços, eles eram mais rápidos com o piso bom e nós melhores pela areia, pedras e desníveis.
   Quando a noite caiu deixou-se de ver as marcações, tive que me orientar pelo GPS, eu e os outros participantes, se não queríamos perder tempo a procura das marcas, já que a barras luminosas apenas algumas é que se encontravam acesas.  
   Na zona de Porto do Son voltamos a subir aos 200 metros, a segunda subidinha da noite, a paisagem sobre a Ria de Muros/Noia deveria ser espetacular, mas era de noite não vimos nada.
   Mais alguns quilómetros junto ao Mar e chegamos a Noia, onde iriamos subir desde o Mar até aos 600 metros, a ultima subida do percurso, a subida mais dura que começou ao km 72.
   Durante esta subida o Sol apareceu, já se conseguia ver melhor as marcações. Subimos por vários corta fogos até ao Parque Eólico, descemos alguns metros para o reforço onde tínhamos novamente as mochilas para trocar de roupa, voltamos a subir até ao Alto da Muralha, o ponto a mais altitude da Serra do Barbanza.
   Os últimos 15km foram sempre a descer até Rianxo, por Caminhos e Trilhos com piso bastante técnico, apenas os últimos quilómetros é que seguimos um Trilho junto ao Rio Té de bom piso.
   Nesta última descida disse-lhe ao Santi que seguisse sem mim, eu quando corria doía-me o estomago, tinha que descer a um ritmo mas lento.
   Cheguei a meta fisicamente bem, sem qualquer dor muscular, nenhum problema nos pés, só com a bateria baixa, praticamente a 0%. Com o calor que esteve neste dia, a partir do km 40 não conseguia ingerir alimentos sólidos, só me entravam os líquidos. Foi a primeira vez que isto me aconteceu, por isso cheguei a Meta bastante fraco, mas a organização logo me colocou um prato de “jamon” e uma “caña” para começar a minha recuperação.
   O Percurso foi duro, as subidas e descidas tinham muito terreno técnico, na zona praticamente plana junto ao Mar, o terreno também não era fácil, tanto estávamos a correr pelos Passeio Marítimos, passadeiras de madeira de acessos as Praias, como nos metiam pela areia, pelas rochas, pelo monte por Trilhos com muito tojo, até tivemos que subir as estradas várias vezes, isto tudo de noite.
   Para ajudar á dureza desta Prova ainda tivemos o Calor, motivo pelo qual houve muitos abandonos, praticamente metade dos participantes.
   No final tivemos um espetacular almoço convívio com a família, almoço já habitual nesta Prova.
   Esta edição foi a segunda desta Prova, a organização já começa a ter alguma experiencia, mas continua a cometer os mesmos erros que nos anos anteriores. Já sei que já organizaram muitas Andainas de 50km, mas uma Prova de 100km é bastante diferente.
Começamos pelo mais grave, as marcações noturnas, não se viam, as fitas não refletiam e as barras luminosas só talvez um 10% é que estavam acesas. Isto sem contar que qualquer criança (e não só) ao ver uma a brilhar podia fazer uma pulseira com ela. A organização já estava avisada que estas marcações não servem, já se lhe aconselhou como deveriam fazer é como fazem nas outras provas noturnas.
   A alimentação de uma Prova de 100km também é diferente a uma Andaina de 50km, apesar da organização anunciar a Prova como Andaina/Ultra Trail, de Andaina tinha pouco, ao contrario do ano passado. A alimentação não pode ser sempre fruta e bebidas doces, tem que haver também alimentos salgados, já que o corpo perde muitos sais, principalmente quando esta muito calor. A comida mais solida nos reforços principais tem que ser adequada aos atletas que correm. A sopa estava muito boa, mas muito espessa, custava muito engoli-la. Massa com atum também estava saborosa, mas com um intervalo de tempo tão grande desde a sua preparação até ao seu consumo, a massa fica dura e o molho seco, também é difícil o seu comer. A organização deveria participar em outras Provas longas para aprender alguns pormenores que são muito importantes. Ao menos que houvesse alguma bebida alcoólica em algum reforço para uma pessoa se animar. De noite esta tudo fechado, eu para poder tomar um café tive que me desviar do Percurso para encontrar um Bar aberto.
   Outra coisa que também não esta bem é a hora da saída, não conhecemos nenhuma Prova de 100km (Portugal e Espanha) que a Partida seja ao meio da tarde, ou é Sexta á noite ou Sábado pela manha. Mesmo que seja um dia quente, como o desta Prova, o corpo habitua-se já que começamos com temperaturas amenas. Nesta Prova começamos a correr no momento de mais colar do dia e a subir, por isso é que houve tantos abandonos. Vendem-nos esta Prova com umas Paisagens incríveis das Rias de Arousa, Muros/Noia e Serra do Barbanza, mas com este horário de saída apanhamos a noite toda, resultado, de noite não se vê nada. Com este horário é difícil que venham atletas de longe.
   Eu sei que alguns elementos da organização realizam o Percurso completo para verificar alguns possíveis problemas, mas não com o horário da Prova, mas sim num dia de manhã cedo.
   Há outras coisas menores que também podiam melhorar, por exemplo a entrega de um Dorsal, cruzamos várias localidades e as pessoas perguntam o que estamos a fazer. Um Dorsal identifica a Prova, publicita-a e justifica o atleta pela passagem em alguns locais, não somos um ladrão a fugir.
   Os reforços não tem que estar sempre á mesma distância, nas subidas deveriam estar mais juntos é onde somos mais lentos e precisamos mais de alimentação. Já nas descidas podem estar mais separados. Os reforços devem ser colocados por tempo de passagem, não por quilómetros.
   Espero que a organização mantenha tudo o que estevem bem e que melhore o menos bom.

Posição        Dorsal        Corredor        Tempo
    1º             89            Primeiro        13h31m
  17º             57            Blacbay          17h42m
  25º             53            Ferreiro2008   19h02m
  86º             36            Ultimo            24h59m

Aban- 63

Nesta tabela consegue-se analisar a velocidade em relação á distancia e ao tempo.
Velocidade        Velocidade Media        Distancia        Tempo        Elevação        % Percurso
Entre 0 e 3km/h          1,0km/h             1,61km        1h36m        +2metros             9,0%
Entre 3 e 5km/h          4,3km/h            11,49km       2h40m      +577metros           15,1%
Entre 5 e 7km/h          6,1km/h            59,38km       9h42m      +460metros           54,8%   
Entre 7 e 10km/h        7,8km/h            24,89km       3h11m       -708metros           18,0%
Entre 10 e 12km/h     11,3km/h             5,00km          27m        -253metros            2,5%
Mais de 12km/h         13,3km/h             1,35km           6m          -54metros            0,6%
Total                         5,9km/h          103,77km      17h42m        +24metros           100%

Programa de analise de dados- SportTracks


Dados IBP.

Também participamos em: 2013 - 2014

Outras Cronicas- Gonzalo Novoa - Carlos Mira - Vagando Voy

Blacbay


No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada